MITOS & VERDADES

Em dúvida

Dúvidas e falta de informação criam mitos e resistência em um dos assuntos que gera grande impacto na vida de outros...

 

DOAÇÃO DE ORGÃOS

Para ser um doador, não é necessário deixar nada por escrito em nenhum documento?

Verdade. Para ser doador basta avisar os familiares de primeiro ou segundo grau (pai, filho, irmãos, avós, cônjuges), pois serão eles que assinarão o documento autorizando a doação dos órgãos e tecidos.

A doação deixa o corpo deformado?

Mito. Os órgãos e tecidos doados são removidos por meio de uma cirurgia. Portanto, a doação não desfigura o corpo.

A doação de órgãos beneficia muitas pessoas?

Verdade. Um único doador de órgãos e tecidos pode beneficiar pelo menos 10 pessoas que aguardam por um transplante de órgão ou tecido.

Após a doação de órgãos o corpo precisa ser sepultado em caixão lacrado?

Mito. O corpo pode ser velado ou cremado normalmente e não precisa de nenhum preparo especial a não ser que seja levado a lugares mais distantes, como outras cidades, estados ou países.

Quase todos os órgãos e tecidos do corpo podem ser doados?

Verdade. Os órgãos e tecidos podem ser doados são: coração, pulmão, fígado, rins, pâncreas, intestinos, pele(camada superficial), ossos, válvulas cardíacas, córneas.

A família do doador precisa arcar com os custos relacionados à doação?

Mito. O doador ou sua família não tem custos nem ganho financeiro com a doação dos órgãos ou tecidos.

A grande maioria das religiões é favorável à doação?

Verdade. Todas as religiões pregam os princípios de solidariedade e amor ao próximo, que são as principais características do ato de doar. Até mesmo as religiões que são contrárias À transfusão de sangue não interferem na decisão de doação de órgãos.

Idosos ou pessoas que já tenham tido alguma doença não podem ser doadores?

Mito. Todas as pessoas podem ser consideradas potenciais doadoras, independente da idade ou histórico médico. O que determinará a possibilidade de transplante e quais os órgãos e tecidos que poderão ser doados. Isso é realizado por meio de uma avaliação do falecido por meio de exames clínicos, de imagem e laboratoriais no momento da morte.

Quem tem maiores condições financeiras passa na frente na fila para receber um órgão?

Mito. Todos os cidadãos brasileiros, independente da classe social ou condições financeira, são selecionados por compatibilidade com o doador. O procedimento é feito por um programa de computador seguro que impede fraudes.

Quem recebe um órgão de uma pessoa passa a se comportar como o falecido?

Mito. O órgão não traz consigo nenhuma característica estética ou emocional do doador. A pessoa que recebe um órgão terá apenas a melhoria da sua qualidade de vida.

É possível que um paciente em morte encefálica volte a viver?

Mito. A morte encefálica é irreversível, sendo atestada por dois médicos diferentes, seguindo os critérios do Conselho Federal de Medicina, que tem a finalidade de comprovar a ausência de reflexos do tronco encefálico (cérebro), através da realização de dois exames clínicos e um teste gráfico. Somente nesta condição é possível a doação de múltiplos órgãos.

DOAÇÃO DE CÉLULA TRONCO

O sangue do cordão umbilical, rico em células-tronco, deve ser coletado logo após o nascimento da criança?

Verdade. Após a separação do bebê da mãe, a coleta é realizada de forma rápida, dura em torno de cinco minutos, e sempre é realizada logo após o nascimento do bebê. A drenagem do sangue do cordão é feita por meio de uma punção com agulha na veia umbilical e seu acondicionamento é realizado em uma bolsa contendo anticoagulante. Todo o processo de coleta deve ser realizado com cuidados de esterilidade. O tempo de transporte entre a coleta e o processamento deve ser no máximo de 48 horas.

Existe um prazo máximo para que o cordão possa ficar congelado?

Mito. Não há tempo máximo definido pela literatura. Há relatos que indicam unidades congeladas há aproximadamente 25 anos, que ainda demonstram viabilidade celular adequada.

O tecido do próprio cordão também possui células-tronco?

Verdade. Este tecido possui célula-tronco do tipo mesenquimal – um subtipo celular, com grande capacidade de regenerar tecidos não hematológicos. A coleta é realizada no mesmo momento do sangue de cordão umbilical, no entanto, feita somente pelos bancos privados.

Uma vez doado, o sangue do cordão umbilical poderá ser utilizado pela família a qualquer tempo?

Mito. No caso de doação para o sistema público, a unidade fica armazenada em um dos bancos públicos da rede BrasilCord à espera de um paciente compatível, habitualmente portador de uma doença hematológica grave. Nesse caso, a família não poderá reivindicar a qualquer tempo o próprio sangue de cordão doado. No sistema privado, a família paga pelo serviço de coleta e armazenamento do cordão, ficando assim, disponível para o próprio bebê e para potencial uso na própria família.

Já existem resultados que mostram a eficácia das células-tronco no tratamento de males como o Alzheimer, o Diabetes, o Lúpus e a Aids?

Verdade. Porém, os resultados ainda são experimentais. Portanto, é necessária uma avaliação mais ampla, sempre seguindo os protocolos de segurança e eficácia definidos por entidades de pesquisa e ética reconhecidas.

Não é possível coletar células-tronco de prematuros ou em partos de emergência?

Mito. O procedimento poderá ser realizado a partir de 32 semanas de gestação, conforme descrito na legislação que rege o funcionamento dos bancos de cordão umbilical e placentário. No caso dos partos de emergência, em todas as cidades que possuem um escritório de coleta, há enfermeiros treinados que ficam de plantão 24h. O médico que fará o parto também pode recolher as células-tronco. Por ser um procedimento simples, pode ser facilmente executado.

Armazenarem as células-tronco é uma forma de pensar no futuro dos filhos?

Verdade. É importante destacar que as células-tronco, além de serem compatíveis com o próprio bebê, possuem uma chance aumentada de compatibilidade entre irmãos. Com as células criopreservadas, há maior rapidez no tratamento e diminuição dos riscos de rejeição e efeitos colaterais após o transplante. O acesso à informação sobre o procedimento, as vantagens e os preços mais acessíveis são prerrogativas que tem feito com que as famílias optem pelo armazenamento privado das células-tronco, a fim de serem utilizadas pelos próprios filhos.

A coleta pode ocasionar riscos para a mãe ou para o bebê?

Mito. Não existe risco nenhum. A coleta é feita após completa separação do bebê da placenta. Além disso, a coleta somente é realizada em caso de parto sem intercorrência e com anuência do médico obstetra.

A utilização de células-tronco congeladas é uma das técnicas mais modernas, utilizadas pela medicina a fim de reparar e/ou tratar enfermidades como leucemia, dentre outras?

Verdade. As células-tronco do sangue de cordão umbilical já são utilizadas há muitos anos para substituir o transplante de medula óssea, no tratamento de leucemia, linfoma e algumas enfermidades imunológicas. Elas são usadas para recuperar o sistema hematopoiético (sistema que produz as células sanguíneas) de pacientes submetidos à quimioterapia ou à radioterapia. Nessas situações, a infusão é vital, uma vez que esses tratamentos também destroem o tecido que produz sangue (células-tronco) do paciente.

DOAÇÃO DE SANGUE

Doar sangue engorda ou faz emagrecer?

Mito. Ao doar sangue você não engorda nem emagrece.

Doar sangue engrossa ou afina o sangue?

Mito. Não engrossa nem afina o sangue.

Doar sangue vicia?

Mito. A doação de sangue não está relacionada a nenhuma dependência.

É preciso algum documento de identidade?

Verdade. O candidato deve apresentar documento original com foto, expedido pelo órgão oficial. Exemplos: Carteira de Identidade (RG ou RNE), passaporte, Carteira de Trabalho, Carteira de Identidade de Profissional, Carteira Nacional de Habilitação com foto e Certificado de Reservista.

Fiz uma tatuagem há um ano. Posso doar?

Verdade. Quem fez tatuagem há mais de um ano pode doar sangue.

Há substituto para o sangue?

Mito. Ainda não há nenhum substituto do sangue.

Existe sangue universal?

Mito. Hoje sabemos que não existe sangue universal. Todas as pessoas têm características diferentes e por isso, quando necessitam de transfusão de sangue, precisamos fazer exames pré-transfusionais independente do grupo sanguíneo do doador e do receptor.

O que é feito com o sangue que doamos?

Após a coleta, a bolsa coletada é fracionada em componentes sangüíneos (concentrado de hemácias, de plaquetas e plasma). Esses componentes são liberados para uso somente após o resultado dos exames. As unidades que apresentam reatividade sorológica são descartadas. Uma única unidade doada pode beneficiar três pacientes.

O que é sangue raro?

É um sangue com característica especifica de baixa frequência na população e algumas vezes, pode ser uma característica familiar.

Quem tem anemia não pode doar sangue?

Verdade. O candidato à doação é atendido por um profissional do Serviço de Hemoterapia, que realiza um teste rápido para verificar se o doador está ou não anêmico.

O organismo leva 24 horas pra repor o sangue doador?

Verdade. O organismo repõe o volume de sangue doado nas primeiras 24 horas após a doação.

Quem está fazendo regime para emagrecer ou dieta pode doar sangue?

Verdade. Dietas para emagrecimento não impedem a doação de sangue, desde que a perda não tenha comprometido a saúde.

Grávidas não podem doar sangue?

Verdade. Mas se o parto for normal, a mulher pode doar depois de três meses. Em caso de cesariana, após seis meses. Se estiver amamentando, aguardar 12 meses após o parto.

É necessário estar em jejum para doar sangue?

Mito. O doador não deve estar em jejum. Tem que estar alimentado e descansado, evitar alimentação gordurosa nas quatro horas que antecedem a doação.

Quem está gripado não pode doar sangue?

Verdade. Recomenda-se aguardar sete dias após a cura para poder doar.

DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA

O transplantado deve se isolar?

Mito. O transplantado precisa ter um período regrado e cheio de cuidados para total recuperação, mas isso não significa se privar de ver os amigos. Se as visitas forem bem monitoradas, com os visitantes usando máscara e limpos de qualquer infecção externa, torna-se completamente possível o contato com pessoas de fora. As visitas só seriam proibidas para o caso de pacientes muito debilitados.

Lembre-se também que sua vida e saúde são importantes demais para se privar de uma cirurgia importante como essa, a recuperação passa e a melhora fica.

O transplantado passa a ter o tipo sanguíneo do doador?

Verdade. O transplante não será definido pela aferição da compatibilidade entre doador e receptor, por isso o doador pode ter um tipo sanguíneo que o paciente que precisa de sua medula óssea e ainda ser compatíveis para o transplante. Mas depois do transplante são comuns os casos de mudança do tipo sanguíneo do receptor.

O processo de doação contém riscos ao doador?

Verdade. Embora o procedimento de coleta das células-tronco da medula óssea seja completamente seguro, o doador por desenvolver algumas complicações relacionadas a anestesia, com dores no local da aplicação. Porém este problema pode ser facilmente controlado com analgésicos comuns. Só não é recomendável que pessoas com anemia doem a medula óssea pois dependendo do volume retirado, o corpo pode ficar mais enfraquecido por causa da deficiência de ferro já existente.

A doação é destinada a somente um paciente?

Mito. Antes do procedimento você se registrará oficialmente como doador e sua contribuição poderá beneficiar pacientes de todo o pais, já que não é necessário ter o mesmo tipo sanguíneo para obter compatibilidade, como já dito anteriormente.

A desistência de um doador de medula óssea já destinada pode acabar matando o dependente?

Verdade. A decisão de doar medula óssea deve ser tomada com noção da responsabilidade do ato. Quando você se cadastra para a doação, pacientes compatíveis com você são procurados e começam um tratamento quimioterápico para receber a medula, esta mudança em seu corpo o deixará fraco e a ausência do conteúdo para transplante no momento necessário pode ser fatal. Por isso é recomendável que antes de tornar-se doador de medula óssea você comece doando sangue, pois se acostuma com o ato e faz bem ao mesmo tempo. Com essas dúvidas esclarecidas, verifique seu perfil como doador em um banco de sangue e aproveite para fazer essa boa ação que além de indolor é muito rápida!